segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Zero Grau aproxima empresas brasileiras do mercado internacional


Importadores de diferentes países desembarcam no Rio Grande do Sul para comprar produtos de marcas brasileiras 



A moda brasileira terá um caminho mais curto para até as vitrines internacionais. Na próxima semana, quase uma centena de importadores estrangeiros desembarcam no Rio Grande do Sul para conhecer o que de melhor se fabrica no país em calçados e acessórios. Eles participam da Zero Grau - Feira de Calçados e Acessórios, evento que ocorrerá nos pavilhões do Serra Park, em Gramado, nos dias 21, 22 e 23 de novembro. 

São cerca de 40 países representados pelos estrangeiros. Eles vêm dos mais diferentes mercados, entre eles, regiões com tradição de comprar os produtos brasileiros. Os vizinhos latino-americanos chegam com o maior número de compradores. “Uruguai, Bolívia, Colômbia, Equador e outros países da América do Sul são acostumados ao nosso produto. Nesses lugares nossas marcas são conhecidas, e a qualidade do calçado brasileiro é uma referência. A tendência é seguir vendendo bem para eles, e fazer o número de pares crescer a partir do contato direto na feira”, explica o diretor da Merkator Feiras e Eventos, Frederico Pletsch.

Países como Arábia Saudita, Bahrein, Líbia, Paquistão e Emirados Árabes Unidos, que vêm aumentando seus pedidos das empresas brasileiras, estão representados. “A região em torno do Oriente Médio busca produtos de valor agregado, é uma excelente oportunidade para as nossas marcas. Queremos que o empreendedor brasileiro possa exportar para mais países, conhecendo novos mercados, e também aqueles que já vêm exportando possam solidificar parcerias”, explica.

São 41 importadores confirmados que receberão da organização da feira as passagens aéreas para vir ao Brasil. Outros 46 chegam a Gramado com a estadia paga. “Em um momento de incerteza no mercado interno, com o país aos poucos retomando sua economia, é fundamental solidificar as parcerias com o mercado externo, atraindo novos compradores para o produto brasileiro e ampliando a capacidade de nossas marcas em se comunicar com o lojista internacional”, ressalta Pletsch.